O que é iridologia?

Iridologia é o estudo da íris através de análises das alterações existentes, representadas por raios, desenhos, pontos, buracos ou mudanças de cores, revelando, assim, estados físicos e emocionais. É uma leitura participativa, sendo imprescindível a presença do interessado. Primeiramente, é feita a anamnese (perguntas à pessoa sobre o que ela sente); as alterações são anotadas para que, depois, sejam discutidas a dois. Como nem tudo é elucidativo - há sinais muito próximos um do outro, como por exemplo, a garganta e a tireóide - o interrogatório se faz necessário.

Pela íris não é revelado, por exemplo, se uma pessoa tem diabetes, mas que há deficiência no pâncreas, podendo ser , por exemplo, hipoglicemia (falta de açúcar no sangue) ou hiperglicemia (excesso de açúcar - diabetes), sendo um o inverso do outro. É possível saber, no entanto, se a doença está em estado agudo ou crônico, qual a emoção envolvida e, muitas vezes, qual o nutriente necessário para suprir a carência existente. Percebe-se, ainda, se a constituição física é boa ou ruim, as tendências, hereditariedade, como está o sistema imunológico, se o corpo tem capacidade de reagir a determinada doença, se o sangue está limpo ou intoxicado, se há contaminações etc.

O que mais chama a atenção ao examinar uma íris é a área que representa o aparelho digestivo, onde vemos claramente as inflamações, queda de cólon, prisão de ventre, gases etc. Fica claro que toda doença nasce nos intestinos e, daí, segue para outras partes do corpo. Este é o órgão “chave” para a cura; não se pode curar nenhuma enfermidade deixando o intestino doente. Para onde vão as fezes que deveriam ser eliminadas? As eliminações são necessárias. Exemplo disso é o recém-nascido, que usa o alimento mais puro do mundo, o leite materno, e se encontra em estado harmônico, sem preocupações nem estresse. Esta criança precisa defecar, e, se isto não acontecer, vai ter cólicas, gases – inícios de outra doença.

Com a continuação da leitura da íris, vamos percebendo como os órgãos estão interligados, sendo que a doença de um pode afetar o outro. Também as emoções afetam estes órgãos, e vice-versa. Recentemente, durante uma palestra, uma pessoa queixou-se, publicamente, de problemas crônicos de prisão de ventre, informando que já havia procurado especialistas, sem solução. Indiquei-lhe alguns procedimentos naturopáticos, entre eles o uso de clister, hoje em moda com o nome de hidrocolon, e uma boa alimentação. Após algum tempo, ela não só livrou-se da doença como melhorou seus relacionamentos, comprovando assim a relação estreita entre o corpo físico e as emoções. Já dizia um médico naturista: “Pessoa enfezada - isto é, triste, testa franzida, que anda de ‘cara feia’ - é pessoa que tem fezes retidas nos intestinos”.

Baseados em experiências assim, em primeira instância, em se tratando de casos corriqueiros e simples, pode-mos fazer orientações coletivas, com grande proveito, porque as perguntas feitas pelo público enriquecem a todos. Cada um deve aprender a cuidar de si e não colocar sua saúde totalmente nas mãos de outros, que não podem SENTIR nem AVALIAR o dia-a-dia de outra pessoa. Na íris podemos ver como está o estado psíquico, o que traz grande revelação, eliminando as máscaras. É como se desnudasse “aquele ser” que fingia para si mesmo. Depois de um encontro, ele vai para casa com outra visão do que é saúde e de quem ele é.

Uma vez a Pastoral da Saúde me chamou para ver a perna ulcerada de uma velhinha. A perna estava em estado crônico, muito feia, tudo fotografado e filmado. Com o tratamento natural, livre de qualquer tipo de remédio alopático, a perna curou-se, mas a velhinha resolveu teimar e usar os alimentos que a intoxicavam e a fizeram adoecer. Voltou tudo outra vez. Olhando aquela íris, perguntei a ela porque não queria se curar. Ela insistiu, dizendo que queria ficar boa daquela perna. Deveria ser mesmo, apenas quanto ao consciente, porque as pessoas que dela tratavam já tinham percebido que ela tinha medo de ficar boa e ninguém mais se preocupar com ela. Ia voltar a ser sozinha ...

Vi um casal se reconciliar depois de uma leitura de íris, quando um passou a compreender mais o sofrimento do outro, nas limitações e anseios. Outras vezes, percebi o quanto uma pessoa tenta se enganar para não se auto-conhecer, porque nem sempre é fácil QUERER as mudanças necessárias; é mais fácil permanecer na mentira, é mais seguro, menos doloroso e, com a verdade, nem sempre se tem bons resultados a curto prazo.

Estas revelações são possíveis porque na íris encontramos os terminais nervosos do corpo, e, a qualquer alteração, aparece um sinal na área correspondente. As cirurgias não ficam constatadas na íris, porque a anestesia bloqueia o sistema nervoso. Acontece, por exemplo, de o iridólogo ver uma vesícula muito inflamada e a pessoa dizer que não tem mais aquele órgão. Também uma gravidez não se pode constatar, por ser algo natural, que portanto não provoca alteração na íris. A sensibilidade do terapeuta, porém, pode fazer enxergar além...

 

O início da Iridologia

Tem-se conhecimento de que o grande Pai da Medicina, Hipócrates, que viveu por volta de 400 anos a.C, já recomendava que se olhasse sempre na íris para ver se havia sujeira, mas foi no século XIX que o húngaro Ignatz von Peczely desenvolveu o diagnóstico pela íris. Quando criança, ele brincava com uma coruja que teve uma perna quebrada. Percebeu, então, que em determinado local da íris apareceu um sinal, que foi se apagando na medida em que a coruja foi se curando. Depois, tornando-se médico, ele começou a observar nos seus pacientes se acontecia aquela “coincidência”; trabalhou no Hospital do Colégio de Medicina, em cirurgia, onde pôde fazer mais comparações; observou, também, que determinados remédios geravam alterações na coloração da íris; e criou, então, o primeiro mapa iridológico.

Como sempre acontece, as conclusões do médico húngaro geraram polêmica. Ele foi muito criticado, mas felizmente alguns colegas se interessaram pelo tema, estudaram e deram continuidade. Foi assim que, nos Estados Unidos, Bernard Jensen, depois de muitos estudos, aperfeiçoou o mapa. Já o leigo Denny Johnson recebeu condecoração de doutor quando desenvolveu o método Rayid-ray (raio) e id (psique interior, o subconsciente), através do qual identificava personalidades, tendências, relacionamentos de atração e rejeição.

Denny foi reconhecido por Hester Lewis, professor de psiquiatria da Harward Medical School, e pelo cientista Richard A. Wullaert, da Califórnia, entre outros.

Não só a íris nos faz perceber como está a saúde do ser humano, mas também a cor da sua pele, expressões na fisionomia, a postura (maneira de sentar, cruzar as pernas, os braços etc.). Sentir o pulso, pressionar a planta dos pés ou a palma das mãos são outras formas milenares de diagnosticar uma pessoa. Atualmente, estão se redescobrindo formas de diagnóstico pelo crânio, nariz, coluna... A constatação e comprovação pode ser feita através de exames complementares, tais como a ultra-sonografia, tomografias computadorizadas etc.

“O olho é um farol de luz que flui e afeta profundamente a cada uma das células do corpo, inundando-o com um chuveiro de vitalidade invisível. Quantas vezes você já se viu forçado a virar sua cabeça, só para encontrar alguém olhando na sua direção? A causa desta reação é a percepção subconsciente da luz concentrada na sua direção...” (Denny Johnson ).

Sem os olhos, nossa vida jamais seria a mesma, porque é através deles que VEMOS TUDO e deixamo-nos, também, SER VISTOS, do corpo à alma ...

Suzete Barreto é naturopata, especialista em iridologia.

Atualmente reside em São Paulo, onde oferece cursos e consultas e continua atendendo em outros Estados do País.

TEL. (11) 2359-0018 / (11) 7623-4490
E-mail: suzete@saudeintegral.com